23 de setembro de 2016

Nesta semana, em uma padaria da região, encontrei um zelador que assistiu palestra que ministrei no Secovi, em julho/2016. Após degustarmos um cafezinho, ele me confidenciou problema que estava vivenciando no condomínio que trabalha. 

O prédio conta com porteiro na guarita e um porteiro  na área de veículos que também realiza ronda nas áreas comuns.

Os 2 postos são 24h e os funcionários são contratados diretamente pela administração do edifício. O problema é que um dos que fazem a ronda estava afastado por doença, tinha apresentado atestado médico. Um outro precisou tirar férias pois a esposa estava deveras adoentada e necessitava de sua ajuda. Para cobrir os horários desses funcionários faltantes, esse meu amigo zelador estava assumindo, na maior parte do tempo de trabalho, a função de porteiro. Em muitos momentos, disse que pede auxílio para os auxiliares de limpeza, principalmente para cobrirem horários de almoço e jantar dos funcionários da segurança. 

Apesar de estafado, o zelador alegou que o prédio pagava direitinho o acúmulo de funções. 

A situação narrada acima, muito comum em prédios que não optam pela terceirização, provoca reflexos na questão da segurança patrimonial e enseja duas perguntas:

1) Será que o zelador consegue suprir o trabalho realizado pelo porteiro ? Na sua integridade não, mas acredito que possa dar conta do recado, pois tem familiaridade com os moradores e respectivos empregados domésticos. Mas a problemática é outra! Enquanto o zelador supre a ausência do ronda, deixa de realizar, entre outras, sua principal tarefa, que é supervisionar o trabalho de todos os empregados do condomínio. Comparo essa questão com o cobertor curto. Se puxar pra cima, descobre os pés. 

2) Será que auxiliares de limpeza suprem o trabalho realizado pelos porteiros ? Obviamente que não. As atividades são completamente distintas. A expressão “para inglês ver” é comumente utilizada na língua portuguesa no sentido de algo que é aparente mas não é válido ou real. 

Portanto, substituir porteiro e vigilante, por funcionários que exercem outras funções no prédio ou empresa, é assumir o risco de ter duas dores de cabeça:

a) Problemas de ordem trabalhista

b) Queda no nível de segurança do condomínio

 

Nesse aspecto, os serviços de Vigilância Patrimonial da Viaseg, bem como a Portaria Virtual Viaseg, são modelos que suprem a falta de funcionários com total profissionalismo. 

 

 

Não permita que o famigerado “jeitinho brasileiro” ponha em risco a segurança do lugar onde você reside.